Praia Grande13 3473.4284    Mongaguá13 3507.7944 São Paulo 11 2276.8588 / 11 2594.9444

Notícias do CRECI SP – Fiscalização trabalha em prol da ética no mercado imobiliário

02/05/2018

São inúmeros os casos de famílias que passaram anos economizando dinheiro para a compra da casa própria, mas que tiveram o sonho transformado em pesadelo nas mãos de pessoas de má-fé ou de pseudocorretores

Falsificação de documentos, apropriação indevida de valores, ou mesmo a negociação de propriedades que não estão à venda são apenas alguns dos problemas que podem acontecer quando se acredita na palavra de um estelionatário.. Uma pessoa não-capacitada, por falta de conhecimento, pode apresentar a localização do imóvel de forma errada, a documentação incompleta ou em desacordo e, certamente, causará prejuízos financeiros e transtornos aos clientes.

Pensando em garantir tranquilidade e segurança à sociedade, o CRECISP se empenha para intensificar a fiscalização do exercício da profissão do corretor de imóveis. Ao longo de 2017 emitiu o surpreendente número de 184.218 autos de constatação, em função das 215.768 fiscalizações realizadas.

Um importante resultado alcançado em 2017 diz respeito ao exercício ilegal da profissão. As blitzes e diligências organizadas pelo CRECISP autuaram 4.024 pseudocorretores, minimizando as chances de fraudes e estelionatos no segmento.

A partir daí, o autuado tem até 15 dias para protocolar sua defesa. E o auto de infração emitido dá início a um Processo Administrativo no CRECISP, podendo culminar com multa de até 5 anuidades. “Toda essa documentação também é encaminhada ao Ministério Público para ser analisada e, caso julgue procedente, instaura-se um processo de Contravenção Penal, que pode acarretar em penalidades ao autuado”, explicou o presidente da entidade, José Augusto Viana Neto.

Buscando atender a todas as solicitações e denúncias recebidas da população, o Conselho realizou, ainda, 10.714 fiscalizações, visitando escritórios, empresas e plantões de vendas sob suspeita.

Para Viana, esse é um sinal de que a sociedade está fazendo valer seus direitos. “A demanda por fiscalizações, especialmente pela suspeita de pseudocorretagem, indica que a categoria está ganhando espaços e confiança no setor imobiliário”, comentou Viana.

Fonte: Crecisp: Conselho Regional dos Corretores de Imóveis
www.creci.org.br

ARTIGOS RELACIONADOS

Síndico profissional: a regularização versus a profissionalização

Saiba mais...

Feira livre no condomínio.

Saiba mais...

Condomínios tem até junho para se enquadrar no e-social 

Saiba mais...