Praia Grande13 3473.4284    Mongaguá13 3507.7944 São Paulo 11 2276.8588 / 11 2594.9444

As mudanças na legislação para cobrança de condomínio estão perto de completar um ano.

27/04/2017

As ações  de cobrança de cotas condominiais tornaram-se mais e, nós ficamos, otimistas apostando que estas mudanças no médio prazo fariam com que a inadimplência nos condomínios diminuísse.

A inadimplência é um grande mal para o condomínio que, sem dinheiro, vai se descuidando, se desvalorizando e com o passar do tempo (de pouco tempo) gera como consequência mais grave e direta a perda de valor de mercado de seus apartamentos. É quase que uma loteria quando a gente vai comprar o apartamento, principalmente se ele for novo, não dá pra saber se a inadimplência lá será ou não um problema. Por que em condomínio, tudo é coletivo, até o efeito colateral do desemprego do seu vizinho. A renda cai, ele para de pagar o condomínio, a inadimplência sobe, o condomínio aumenta, o prédio pára de arrecadar o fundo de obras, não faz a pintura que precisava fazer, fica com a fachada descuidada, e você, que não tem nenhuma relação direta com o desemprego do vizinho do 81 de um jeito ou de outro participa da conta final.

Que bom que agora é hora de boas notícias ! Todo otimismo com a modernização da legislação se confirmou. A inadimplência nos condomínios paulistanos caiu 20% com em um ano. Em março de 2016 este indicador apontava 5,58% de boletos de condomínio emitidos e não pagos há mais de 60 dias de seu vencimento original, este ano o número caiu, em março/2018 o número caiu para 4,48% (nas 160 mil unidades que fazem parte do meu estudo quantitativo em São Paulo). Os acordos amigáveis para pagamento também apontaram alta no mês de março de 6,4% com relação ao mesmo período do ano anterior.

Para o condômino que deve poucos meses, o acordo é mesmo a saída mais inteligente e barata. Estanca o problema, a grande maioria dos síndicos permite parcelamentos, o que aumenta muito a chance de solucionar um problema pontual causado por um desequilíbrio momentâneo no orçamento. Esse aumento relevante  no índice de pessoas que procuram síndicos e administradoras para propor acordos mostra que o paulistano encontrou aí uma solução para o problema.

Na outra ponta é importante que o ambiente todo esteja favorável para aproveitar a mudança na legislação e esta onda de combate à inadimplência a favor da saúde financeira dos condomínios. Talvez o melhor caminho seja os síndicos aumentarem a flexibilidade no número de parcelas para recebimento, nos prazos para quitação dos débitos, entendendo o momento e gerando condições favoráveis para o recebimento. Administradores facilitando com sistemas inteligentes e desburocratização nos processos o recebimento do bom pagador.

Assim vai se formando o círculo virtuoso que vem enfrentando e vencendo o problema da inadimplência nos condomínios paulistanos.

Autora: Angélica Arbex
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

Condomínio indenizará vigilante vítima de assalto simulado pelo chefe

Saiba mais...

Chuva expõe problemas do prédio que poderiam ser evitados.

Saiba mais...

Multas de condomínio podem custar até cinco vezes o valor da taxa mensal

Saiba mais...