Praia Grande13 3473.4284    Mongaguá13 3507.7944 São Paulo 11 2276.8588 / 11 2594.9444

Conheça iniciativas simples para evitar aumento na taxa de condomínio

25/07/2017

Padronizar a limpeza, capacitar funcionários e substituir as lâmpadas por modelos LED são alternativas para otimizar o orçamento do empreendimento

É o que afirma o síndico Alessandro Barbosa de Oliveira, que há um ano e oito meses administra o Fit Marumbi, empreendimento localizado no Guaíra que conta com 672 apartamentos e cerca de dois mil moradores. A gestão dele é tida como um bom exemplo pelo Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

Maiores condominios residencias de Curitiba . Na foto Residencial Fit Marumbi , na Vila Guaira .

Desde que assumiu a gestão, ele implantou uma política de economia em diversas áreas do condomínio, o que permitiu que a taxa paga pelos moradores – de cerca de R$ 330 – não precisasse ser reajustada, ao contrário do que costuma ocorrer em outros empreendimentos.

“Se não tivéssemos tomado estas atitudes, seria necessário aumentar a taxa do condomínio em cerca de 14,5% em 2017”, simula Oliveira.

Para os condomínios que desejam seguir o mesmo caminho, o síndico compartilha a “receita de sucesso” e deixa um recado: “Muitas dessas ideias surgiram dos próprios moradores. A dica, então, é o síndico se abrir [para elas] e colocar as melhores em prática”, sugere.

Energia elétrica

A substituição das lâmpadas das áreas comuns por modelos LED foi a primeira iniciativa tomada com o objetivo de reduzir os custos com energia elétrica no Fit Marumbi. Para dar conta da iluminação das 12 torres, quase três mil lâmpadas foram trocadas.

As bombas d’água que alimentam as torres também passaram a ser desligadas durante a madrugada (entre meia-noite e 5h). Com essas duas atitudes, o condomínio passou a economizar em torno de R$ 14 mil por mês nos gastos com energia elétrica.

Limpeza

A padronização da limpeza dos espaços comuns foi outra iniciativa que trouxe economia para o condomínio.

“Temos oito colaboradores que cuidam da limpeza e cada um deles trabalhava de uma forma”, lembra Oliveira. Para solucionar esta questão, o condomínio fez uma parceria com a empresa que fornece os produtos de limpeza, que ofereceu treinamento aos funcionários.

“Eles aprenderam a utilizar e diluir os produtos na proporção correta. Com isso, tivemos queda de 40% no consumo dos materiais de limpeza”, conta o síndico. “Isso resultou em uma economia de R$ 2,3 mil mensais na compra dos produtos”, acrescenta.

Capacitação

A revisão dos contratos terceirizados e a capacitação dos funcionários que já constam na folha de pagamento do condomínio para a execução de tarefas antes delegadas a empresas externas foi outra estratégia adotada para reduzir os custos.

“Demos treinamento para nossos colaboradores da manutenção geral sobre limpeza da piscina, elétrica e manutenção do jardim. Hoje, eles executam estes serviços que, antes, nós terceirizávamos”, lembra.

Além da economia decorrente do cancelamento dos contratos, que é de cerca de R$ 4,8 mil mensais, o condomínio não precisou direcionar recursos para os treinamentos, que foram ofertados pelos fornecedores ou realizados nos cursos que o Secovi-PR disponibiliza para seus associados.

Manutenção preventiva

Criar uma rotina de verificação dos itens necessários ao funcionamento adequado do condomínio é outra dica do síndico Alessandro de Oliveira.

Desta forma, segundo ele, é possível se antecipar e fazer a manutenção preventiva das instalações e equipamentos, o que costuma sair mais barato do que a realização de consertos emergenciais.

“O síndico pode criar uma tabela para se lembrar de rever as lâmpadas todas as segundas e as bombas d´água as terças-feiras [e assim sucessivamente]”, sugere Oliveira.

Conscientização

Promover ações para conscientizar os moradores sobre a necessidade de se contribuir para a manutenção das áreas e instalações do condomínio é a nova estratégia que o Fit Marumbi está adotando para otimizar o orçamento do empreendimento.

“Não adianta se economizar no material de limpeza quando um morador passa pelo hall com um saco de lixo vazando logo após a funcionário ter limpado o local”, ilustra o síndico.

“Em casos como este, a economia que se consegue de um lado é perdida de outro. Por isso a campanha de conscientização é importante”, resume Oliveira.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

Tudo sobre vida em condomínio

Saiba mais...

Pintura de fachada de condomínio

Saiba mais...

Insalubridade, PPRA e PCMSO

Saiba mais...