Praia Grande13 3473.4284    Mongaguá13 3507.7944 São Paulo 11 2276.8588 / 11 2594.9444

Insalubridade, PPRA e PCMSO

03/11/2017

Autor: Hamilton Bueno Jr

Insalubridade / Insalubre é algo que pode causar doenças ao trabalhador por conta de sua atividade laboral, quando realizado em condições que expõem o trabalhador a agentes nocivos à saúde acima dos limites de tolerados.

Neste artigo, veja como a insalubridade afeta o condomínio, qual o papel do PPRA e como eliminá-la.

Todo funcionário tem o direito a desenvolver suas atividades laborais sem que esta o exponha a agentes que possam ser nocivos à integridade de sua saúde.

São consideradas insalubres as atividades ou operações que por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, expõem o empregado a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza, da intensidade do agente e o tempo de exposição aos seus efeitos.

A discriminação desses agentes e os limites de tolerância mencionados estão previstos nos anexos da Norma Regulamentadora NR-15.

Você deve estar perguntando: as atividades realizadas nos condomínios são insalubres?

A resposta não é tão simples, pois para caracterizar e classificar a insalubridade, em consonância com as normas do Ministério do Trabalho, far-se-á necessária perícia médica por profissional competente e devidamente registrado no Ministério do Trabalho e Emprego – este é o objetivo do PPRA (Programa de Prevenção a Riscos Ambientais), ele irá analisar quais os principais fatores de risco ao empregado naquele condomínio especificamente.

Dessa forma, cada edifício, cada condomínio, apresenta uma situação diferente, pois o laudo parte da análise detalhada e minuciosa de seus fatores de risco.

O PPRA permite identificar os riscos a que os empregados estão sujeitos.

As principais causas de acidentes em condomínios são:

  • Quedas por falta de corrimão em escadas,
  • Cortes e perfurações na coleta e no transporte de lixo,
  • Torções e lesões devido a pisos escorregadios,
  • Lesões e quedas no transporte de cargas,
  • Vistoria e manutenção precárias em elevadores,
  • Armazenamento inadequado de produtos inflamáveis em subsolos,
  • Sinalização inexistente ou inadequada,
  • Instalações elétricas inadequadas,
  • Precariedade nos acessos à cobertura do edifício,
  • Doenças ocupacionais: falta de procedimentos e EPI.
  • Quedas em piscinas desprotegidas.

Em um ambiente não avaliado (onde não se realizou o PPRA), que esteja totalmente desequilibrado do ponto de vista de saúde ocupacional, as conseqüências podem incluir:

  • Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais a eles equiparadas,
  • Afastamento de empregado.

IMPORTANTE:

“Em alguns casos, pode resultar em indenização, por parte do empregador, pelo dano causado ao trabalhador, que teve violado, por um ato de omissão, o seu direito de proteção à saúde garantido por todo esse arcabouço jurídico, mesmo que não seja intencional, ainda assim existe essa responsabilidade.”

Com o PPRA feito, está na hora do condomíno atentar-se aos EPI’s

Como vimos, sempre que existir agentes nocivos à saúde, existe a obrigatoriedade do pagamento do adicional de insalubridade.

Este adicional é definido por Lei, e tem como limite 40% do salário.

Normalmente, em condomínios é preciso EPI (Equipamento de Proteção Individual) para :

  • Faxineiros (luvas, botas e máscaras para evitar contato direto com lixo e produtos químicos de limpeza),
  • Funcionário que trata a piscina (o mesmo EPI para evitar contato com produtos químicos),
  • Jardineiro (luvas, óculos de proteção, etc).

Sempre que se verificar a existência de riscos no ambiente de trabalho, há a necessidade do pagamento de adicionais de insalubridade.

Mesmo que o PPRA não identifique determinado fator agressivo, uma ação trabalhista pode arbitrar o pagamento do adicional.

O uso adequado dos equipamentos de proteção faz cessar a condição de insalubridade, na maior parte dos casos.

Pela Lei, é obrigação do empregador ceder os equipamentos, e o empregado usá-los.

Esta obrigatoriedade está na CLT:

ART. 166. A EMPRESA É OBRIGADA A FORNECER AOS EMPREGADOS, GRATUITAMENTE, EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL ADEQUADO AO RISCO E EM PERFEITO ESTADO DE CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO, SEMPRE QUE AS MEDIDAS DE ORDEM GERAL NÃO OFEREÇAM COMPLETA PROTEÇÃO CONTRA OS RISCOS DE ACIDENTES E DANOS À SAÚDE DOS EMPREGADOS

Quer dizer que o PPRA e a entrega dos EPI’s podem livrar o condomínio de ações trabalhistas em que se pleiteia a insalubridade?

A resposta é SIM!!!

A insalubridade, primeiro deve ser atestada – pelo laudo constante no PPRA.

Após isso, ela pode (na maioria dos casos) ser neutralizada, e no caso dos condomínios, simplesmente com o uso correto dos EPI’s.

E o uso correto é provado e demonstrado com a Nota Fiscal de aquisição do EPI e o recibo de entrega aos funcionários.

O mais importante a ser destacado é o fato de que se o condomínio não possuir em seu poder a Nota Fiscal de aquisição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), e o recibo de entrega dos mesmos aos seus funcionários, estará sujeito ao pagamento do adicional que em seu grau máximo atinge 40% do salário mínimo.

E não esqueça de cobrar o uso por parte do funcionário!!!

A negativa de utilização desses equipamentos pelo funcionário permite que lhe seja dada advertência e, na insistência pelo empregado, a justa causa. Contudo, para a configuração da situação mencionada é necessário e absolutamente imprescindível a devida documentação da situação.

Agora que você sabe como funciona, fique atento!

ARTIGOS RELACIONADOS

Condomínio indenizará vigilante vítima de assalto simulado pelo chefe

Saiba mais...

Chuva expõe problemas do prédio que poderiam ser evitados.

Saiba mais...

Multas de condomínio podem custar até cinco vezes o valor da taxa mensal

Saiba mais...