Praia Grande13 3473.4284    Mongaguá13 3507.7944 São Paulo 11 2276.8588 / 11 2594.9444

TST permite terceirização em condomínios residenciais e comerciais

20/06/2017

Cláusulas de convenção coletiva vetavam esse tipo de contratação por entender que serviços como os de faxineiro e zelador são atividades-fim

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou nulas as cláusulas de convenção coletiva que proíbem terceirização em condomínios residenciais e comerciais do Distrito Federal. A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) da Corte acatou, por maioria de votos, recurso do Sindicato das Empresas de Asseio, Conservação, Trabalho Temporário e Serviços Terceirizáveis do DF (Seac).

Na ação, o Seac sustentou que as cláusulas 51 e 52 da convenção estabelecida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Condomínios (Seicon-DF) e o Sindicato dos Condomínios Residenciais e Comerciais do DF (Sindicondomínio-DF) previam que as atividades de zelador, garagista, porteiro, serviços gerais e faxineiro são atividades-fim. Portanto, não poderiam ser terceirizadas. A medida, válida de 2011 a 2013, obrigava o Seac a rescindir os contratos entre as empresas representadas pelo sindicato e condomínios.

O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região havia acolhido preliminar apontada pelo Sindicondomínio e extinguido o processo, declarando a ilegitimidade do Seac para propor a ação.

O Seac, então, recorreu ao TST argumentando que tem legitimidade não para anular a convenção, mas as cláusulas 51 e 52. E salientou que, embora a legislação e a Súmula 331 do TST não proíbam a terceirização, as cláusulas 51 e 52 da convenção vetam a terceirização das atividades e impõem multa, no caso de descumprimento.

A relatora do recurso, ministra Dora Maria da Costa, observou que compete ao Ministério Público do Trabalho ajuizar ações anulatórias de instrumentos coletivos. Porém, a SDC entende que, em casos excepcionais, essa competência pode se estender a sindicatos que se sintam prejudicados em sua esfera jurídica.

Para a magistrada, ficou claro que as empresas representadas pelo Seac sofreriam danos causados pelas cláusulas apontadas. A SDC determinou a volta do processo ao TRT da 10ª Região, para prosseguir no julgamento do processo.

Fonte: http://www.metropoles.com

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Condomínio indenizará vigilante vítima de assalto simulado pelo chefe

Saiba mais...

Chuva expõe problemas do prédio que poderiam ser evitados.

Saiba mais...

Multas de condomínio podem custar até cinco vezes o valor da taxa mensal

Saiba mais...